Curso Moço de Convés Braspanama

A Solidariedade

O mar é uma imensidão que cobre mais de 70% da superfície do nosso planeta. O oceano é o regente do clima e o regulador térmico da Terra.
A maior parte da população mundial vive em zonas costeiras e há uma tendência permanente para o aumento da concentração demográfica nessas regiões.


Com o aumento da população mundial, as reservas tradicionais de recursos terrestres tendem a tornar-se críticas. O mar é o reservatório final das substâncias dissolvidas e como a terra gradualmente vai-se exaurindo delas, mais premente é a nossa necessidade de aprender a usufruir deste reservatório.

As plantas aquáticas e algas são mais eficientes na utilização da radiação solar do que as plantas terrestres¹.

Neste sentido, é oportuno lembrar o enunciado de  Antoine Laurent de Lavoisier, fazem 227 anos: Na natureza nada se cria, nada se perde, tudo se transforma”².

O “meio ambiente” é meio e não fim!

O mar com sua imensidão ensina as proporções. O homem do mar percebe a sua fragilidade frente à grandiosa força da natureza. Surge a solidariedade,a mais valorosa tradição marinheira fora preservada … Estávamos todos de parabéns. Irmãos do mar foram salvos da força implacável da natureza”³.

Desta postura cresce uma força que não pode existir na competição:  a ajuda mútua, o “dar as mãos”.

Colaborar atrai amigos, competir atrai inimigos …

Quando compartilhamos conhecimentos, estamos livres para continuar evoluindo. Prender conhecimento é se aprisionar no aspecto evolutivo” (4).

A união faz a força (5)

A solidariedade, é uma força agregadora,  libertadora, transformadora e universal, irmã de outras tantas da mesma natureza como a fraternidade e, está presente em tudo e em todos, do microcosmos (átomos) ao macrocosmos (constelações, galaxias, os universos). É força “original” e duradoura, enquanto que as associações competitivas, são recentes e transitórias (6).

Este estado “original” corrompeu-se ao longo de tempo imemorial, perdendo-se no inconsciente a compreensão da unidade na diversidade como e, a formação do todo harmônico (individualidades se complementando, tesouro abundante das diferenças infinitas). Neste momento, abriu-se espaço para a exacerbação do individualismo (egocentrismo), com a  consequente fragmentação desordenada da unidade, em frenética competição. Nesta “nova” dinâmica, os indivíduos substituem as virtudes civis da colaboração, pelas virtudes guerreiras da opressão/dominação. Já não sabem mais se organizar  e interagir em simbiose … Percebe-se que a força competitiva criou muito mas, também causou destruição … percebe-se hoje, coisas que antes escapavam à compreensão mais rude … que um mundo de força, acaba destruindo-se a si mesmo. A colaboração e supressão da cruenta luta, compõe o caminho do Progresso

O Progresso não reside na renúncia à força – que pode ser fraqueza de impotentes – mas no domínio da força, que constitui consciência dos poderosos. Da competição … surge a desagregação … desperdiça-se energia em atritos inúteis … urge substituir a premissa hedonística (7) pela premissa colaboracionista; eis o grande desafio. O Progresso reside na cooperação (8).

A Constituição do Brasil em seu Art. 3º inciso I, define: “Constituem objetivos fundamentais da República Federativa do Brasil: I – construir uma sociedade livre, justa e solidária”: Outra característica que se observa do enunciado, é que ele possui elevado grau de abstração, fixando-se, portanto, de modo absolutamente genérico, não sendo direcionado para nenhum sujeito em particular. Ao contrário, foi formulada com grande carga de generalidade, atingindo indistintamente a todos que estiverem submetidos à ordem jurídica estabelecida pela Constituição Federal no sentido de estabelecer um estado ideal de sociedade a ser alcançado pelo povo brasileiro.

<https://jus.com.br/artigos/9315/o-principio-da-solidariedade/2> consultando 29Mar2016

Este entendimento, foi captado de forma genérica por inúmeros artistas, poetas, cientistas, estadista que já estiveram entre nós. Só para citar alguns:  

1- “A paz não pode ser mantida à força. Somente pode ser atingida pelo entendimento.”

Albert Einstein  (1879 Alemanha – 1955 EUA) <http://kdfrases.com>

2- “Nós somos aquilo que fazemos repetidamente. Excelência, então, não é um modo de agir, mas um hábito.”  

Aristóteles  (384 a.C. – 322 a.C. Grécia) <http://kdfrases.com>

3- … “a aviação e o rádio aproximaram-nos muito mais. A própria natureza dessas coisas é um apelo eloquente à bondade do homem… um apelo à fraternidade universal… à união de todos nós … “Não desespereis! A desgraça que tem caído sobre nós não é mais do que o produto da cobiça em agonia … da amargura de homens que temem o avanço do progresso humano. Os homens que odeiam desaparecerão, os ditadores sucumbem e o poder que do povo arrebataram há de retornar ao povo. E assim, enquanto morrem homens, a liberdade nunca perecerá …”

Charles Chaplin (1889 Inglaterra – 1977 Suíça)

4- “Nenhum homem é uma ilha isolada; cada homem é uma partícula do continente, uma parte da terra; se um torrão é arrastado para o mar, a Europa fica diminuída, como se fosse um promontório, como se fosse a casa dos teus amigos ou a tua própria; a morte de qualquer homem diminui-me, porque sou parte do gênero humano. E por isso não perguntes por quem os sinos dobram; eles dobram por ti”.  

John Donne (1572 – 1631 Inglaterra)

5- … “sem a necessidade de ganância ou fome … Uma irmandade dos homens.  Imagine todas as pessoas partilhando todo o mundo e o mundo viverá como um só …”

John Lennon (1940 – 1980 EUA)

6- A lei de ouro do comportamento é a tolerância mútua, já que nunca pensaremos todos da mesma maneira, já que nunca veremos senão uma parte da verdade e sob ângulos diversos.

O melhor modo de encontrar a si próprio é perder-se à serviço de outros.

Mahatma Gandhi  (1869 – 1948 Índia) <https://www.epochtimes.com.br/20-frasesgandhi-mover-coracao/>

7- “Aprendemos a voar como pássaros e a nadar como peixes, mas não aprendermos a conviver como irmãos.”

Martin Luther King Jr. (1929 – 1968 EUA) <http://kdfrases.com>

8- “Sonho com o dia em que todos levantar-se-ão e compreenderão que foram feitos para viverem como irmãos.”

“Tudo parece impossível até que seja feito.”

Nelson Mandela  (1918 – 2013 África do Sul)

<http://kdfrases.com>

Referências:

1- Os Novos Caminhos do Mar”, tradução do Alte Paulo de Castro Moreira da Silva – Careers in Marine Science, Commonwealth Scientific and Industrial Research Organization (CSIRO – Austrália), Edição Brasileira da FEMAR;

2- Antoine Laurent de Lavoisier  (Paris, 26 de agosto de 1743 — Paris, 8 de maio de 1794). É reconhecido por ter enunciado o princípio da conservação da matéria, apesar de o russo Mikhail Lomonossov tê-lo feito 14 anos antes. Ele viveu na época em que começava a Revolução Francesa, quando o terceiro estado (camponeses, burgueses e comerciantes) disputava o poder na França. Lavoisier foi guilhotinado em 8 de maio de 1794, após um julgamento sumário no dia anterior. Joseph-Louis de Lagrange, um importante matemático, contemporâneo de Lavoisier disse: Não bastará um século para produzir uma cabeça igual à que se fez cair num segundo. <https://pt.wikipedia.org/wiki/Antoine_Lavoisier>

3- Comte. Luiz Augusto C. Ventura – CLC , relata o Resgate do navio Jurupema no Oceano Índico, blog RUMAR <www.rumar.org.br>;

4-  Alessandro Faria é Consultor Biométrico na tecnologia de reconhecimento facial, atuando na área de tecnologia desde 1986, com desenvolvimento de soluções open-source, membro colaborador da comunidade Viva O Linux, mantenedor da biblioteca open-source de vídeo captura entre outros projetos. <http://www.jornaldoiguassu.com.br/caderno-de-inova%C3%A7%C3%A3o/117-inovacao/1441-ser-inovador-alessandro-faria.html>.

5- Sabedoria  popular;

6- Ferdinand Tönnies,  “Comunity and Association – Gemeinschaft und Gesellschaft”, sociólogo alemão (1855-1936). Na sua obra principal, Gemeinschaft und Gesellschaft (1887), apresentou os conceitos de “comunidade” (Gemeinschaft) e de “associação” (Gesellschaft), guias fundamentais da sociologia empírica e aplicada no estudo das transformações das relações na sociedade. Nas sociedades rurais, camponesas, as pessoas estabelecem relações diretas umas com as outras e são reguladas por regras sociais tradicionais. Predomina a Wesenwille (a vontade natural), ditada pelas necessidades e convicções instintivas, pela expressão de sentimentos e pela emoção espontânea. Nas sociedades modernas, cosmopolitas, o interesse próprio e a conduta calculista enfraqueceu os contornos tradicionais das relações. Predomina a Kurwille (a vontade racional), inspirada pela racionalidade instrumental na escolha dos meios para atingir os fins. As relações são mais impessoais e indiretas e correspondem a uma sociedade de governo burocrático e de organizações industriais de larga escala. A Wesenwille é orgânica e real enquanto a Kurwille é conceptual e artificial. Gemeinschaft e Gesellschaft são tipos ideais e não categorias de classificação, o que nem sempre foi entendido pelos críticos de Tönnies.
<http://www.infopedia.pt/$ferdinand-tonnies> consultado em 4/4/2016

7- Significado de Hedonismo: s.m. Busca incessante pelo prazer como bem supremo. Excessiva busca pelo prazer como modo de vida.
<http://www.dicio.com.br/hedonismo/ > consultado em 9Abr2016.

8- Pietro Ubaldi , “A Grande Síntese” 21ª edição 2001.